30 de abr de 2011

Mesmo assim eu não esquecia dele. Em parte por que seria impossível esquecê-lo, em parte também, principalmente porque não desejava isso. É verdade, eu o amava. Não com esse amor de carne, de querer tocá-lo e possuí-lo e saber coisas de dentro dele. Era um amor diferente, quase assim feito uma segurança de sabê-lo sempre ali.


       Caio Fernando de Abreu